De volta!

Olá para quem me acompanha por aqui e também na página Natt na Grécia no facebook. Sumida, confesso, mas voltei pra dizer que teremos mais vídeos nesse verão 2018 em Milos.

Se você se encantou por esse paraíso azul e sonha em um dia conhecer, vamos fazer contato. Além de dicas, você também vai poder se preparar desde o Brasil ou de qualquer lugar do mundo com roteiros personalizados e muito mais. Afinal, nada melhor do que conhecer um dos lugares mais lindos do mundo com uma brasileira.

Entre em contato comigo seja por aqui, facebook ou pelo email: nati_jornalista@yahoo.com.br. Será um prazer te ajudar nessa jornada e aventura 🙂

E estou em ótima companhia. Eu e minha parceirinha vamos te levar para conhecer lugares incríveis e mágicos.

Até breve!

Syros – a capital das Cíclades

Semana passada fui para Syros, que fica há 6 horas de viagem de ferry boat desde Milos. Ainda não conhecia a ilha e me surpreendi positivamente. Syros ou Syro, e em grego Σῦρος, é considerada a capital das ilhas Cíclades, a qual Milos, e tantas outras fazem parte.

Com cerca de 25 mil habitantes, achei a atmosfera incrível. Logo quando você chega no porto, já se depara com o seu tamanho, se comparada com onde vivo que possui 6 mil habitantes, já se percebe uma bela diferença na questão do tamanho da população. Achei a ilha urbana, porque ela é, mas um urbano que está sempre procurando o mar. É que por onde você anda, por todas as suas ruelas estreitas, o azul do mar está sempre entre elas.

E como gostei de caminhar por essas ruas cheias de flores, subidas e descidas, comércio por todos os lados, e sempre beirando o mar. A ilha possui avenidas largas também, uma vasta opção de bares, restaurantes, lojas e cafés.

14449919_10153769038662026_5913526051471950462_n

Fiquei hospedada na localidade de Hermópolis,  área mais central. Também fazem parte da ilha as localidades de Ano Syros ePosidônia.  Com construções  em estilo neo-clássicos, casarões e casas brancas, a cidade possui ainda numerosas igrejas, como de costume em toda a Grécia, mas lá muita gente além de ortodoxo, a maior religião daqui, também é formada por católicos, como temos no Brasil.

Curiosidades via Wikipédia

Durante os tempos romanos a capital de Syros era situada na área hoje correspondente a Ermoupoli. Ao fim da era antiga as invasões bárbaras e dos piratas, que infestaram o Egeu por muitos séculos, fizeram Syros declinar. Durante o período bizantino Syros era parte do Aegean Dominion, junto às outras ilhas Cíclades. Em 1204 foi conquistada pelos venezianos e francos, tornando-se então domínio de Veneza, como parte do Ducado do Egeu, iniciando o período latino, quando foi fundada Ano Syros e a maioria da população tornou-se católica, embora mantivesse a língua grega. Durante os três séculos e meio que durou o Ducado do Egeu, Siro possuiu um regime feudal singular.

14450001_10153771812437026_9054681037778155900_n

Gastos: 

Hospedagem em média de 30 euros por dia, o casal mais um bebê. Optamos por alugar um quarto com cozinha, banheiro e uma pequena sala. Saiu bem mais em conta, muito mais confortável e íntimo também. A localização era ótima e fazíamos tudo a pé.

Ferry Boat:

Cada passagem custa 13,50 euros, então ida e volta o casal: 54 euros.

Comida:

Varia do que você quer comer sempre né? Se optar por comidas mais rápidas como salada, o tradicional souvlaki vai gastar cerca de 5 a 10 euros por pessoa com bebida. Se optar por tavernas tradicionais que servem pratos da culinária grega como porco, bacalhau, greek salad vai gastar cerca de 40 euros por casal.

Não achei os preços tão diferentes de Milos. O local é cheio de opções, então pode agradar bem.

Ah, uma super hiper dica! Se você for pra Syros não deixe de ir almoçar um dia na praia de Kini. A praia fica há uns 10 minutos de carro do centro e vale super  a pena! Rodeada de restaurantes à beira mar me surpreendi com a variedade de delícias de sea food. Tudo fresquinho, servidos em ótimas porções.

Ah, e o período ideal é visitar até o final de setembro, depois disso as temperaturas começam a baixar, venta muito, e a maioria dos restaurantes próximos do mar estão fechados.

🙂 é isso!!

Valeu o passeio! Até a próxima!

 

 

Apareceu a Margarida!

Olá, Kalispera!!!

Sumi sim e por um super lindo motivo: virei mamãe. Minha filhota nasceu no dia 24/05 e desde então desapareci. Sabe como é né: ser mamys 24 horas por dia é um prazer imensurável, mas também dá trabalho.

Voltamos ao nosso paraíso!! Estamos em Milos para mais um verão que está bombando. Calor, praias, turistas do mundo todo e aquela brisa e atmosfera que só um verão grego pode trazer.

Bem, se você não desistiu de mim, bem vindo novamente!! Estou de volta e vamos voltar a explorar juntos esse país maravilhoso que me acolheu tão bem e que tantas boas coisas nos reserva.

 

 

Passendo pelo sul da Grécia

Há poucos dias atrás, meu marido e eu resolvemos sair um pouco da rotina e cair na estrada. Queríamos passar o final de semana em algum lugar que fosse tranquilo, cheio de natureza e romântico para curtir o friozinho e o final do inverno. Optamos então pelo sul da Grécia que tem paisagens lindas e oferece diversas oportunidades para uma viagem a dois. Resolvemos explorar a região de Kalavryta,  em grego : Καλάβρυτα, que fica a 203km de Atenas e é um local famoso por suas estações de esqui. A cidade me lembrou muito a nossa Campos de Jordão no Brasil, cheia de charme, restaurantes gostosos e montanhas.

A região onde Kalavryta está localizada é Acaia, ao seu redor há quilômetros de rios e áreas montanhosas. De primeiro momento íamos pernoitar por lá, mas aí mudamos o destino e resolvemos ir à Zarouxla, que é ainda mais pitoresca  e menos habitada. Foram um pouco mais de 30km de caminhos entre paisagens lindas, e a cada curva, e a cada subida íamos sentindo o frio aumentar e avistávamos neve.

10415591_10153335522647026_1993546905175621533_n

Zarouxla é um vilarejo que está na região do Peloponeso, e é um destino que atrai pessoas de todos os estilos, seja os casais, as famílias e os amigos. Ao seu redor, podemos visitar um lago surreal de água verde que é o Tsivlos, que fica há cerca de 10 km da aldeia.

 

Caía a tarde e fazia frio, e nossa missão era encontrar um hotel gostoso. Fomos dar uma volta e logo encontramos dois que gostamos. Optamos por um pela grande varanda que dava para as montanhas. De restaurantes com comidas tradicionais e muita carne. Almoçamos carneiro e cabra, e confesso que mesmo não sendo muito fã, estava bem apetitoso. Da fumaça da lareira ao cheirinho do café fresco, sentamos para comer uma deliciosa torta de chocolate. À noite, um rolê para beber e pesticar algo e relax no confortável quarto de hotel super aquecido.

No dia seguinte, resolvemos explorar a região e para a nossa surpresa, com apenas uma noite nevando, toda a cidade estava branquinha, com frescos flocos de neve, estradas geladas e clima de romance no ar, afinal a neve e o amor super combinam né?

Nossa aventura em andar com o carro na neve durou 40 minutos, pois mesmo com protetores de pneus, a neve estava muito alta e sem ter um 4X4 seria praticamente impossível e não seguro. Optamos por mudar o caminho e ir até a floresta onde está localizado o lago Tsivlos. Cheiro de verde, paisagem incrível, tempo para uma caminhada e hora de pegar estrada rumo a Atenas.

Recomendo muito visitar essa região, com apenas 3 horas de viagem cruzamos mar, montanha, florestas e neve. A Grécia me encanta por ser um país pequeno, mas cheio de lugares mágicos a poucos Km.

 

 

 

 

Santorini – o charme de uma ilha vulcânica

11930675_10153007578752026_2067238537_n

Morar em Milos, além de ser uma benção pelo paraíso que é, também é incrível pela localização, e pela facilidade de ir para outras ilhas das Cíclades. Quando recebi no mês passado meu pai e minha irmã aqui, resolvemos passar 2 dias em Santorini, afinal, com apenas 2 horas e meia de viagem, e por ser a ilha famosa número 1, não podíamos perder a oportunidade.

Santorini (Σαντορίνη), chamada oficialmente Tira (em grego: Θήρα) e Tera na Antiguidade, é uma ilha no sul do mar Egeu, a cerca de 200 quilômetros a sudeste da Grécia continental. É a maior ilha de um pequeno arquipélago circular que leva o mesmo nome e é o resto de uma caldeira vulcânica. A ilha possui cerca de 73 quilômetros e aproximadamente 14 mil habitantes. A ilha nasceu por sua maior e mais forte erupção por volta de 1680 a. C, e todas as ilhas que se formaram à sua volta, são parte de uma cratera, e fez com que Santorini tivesse essa forma.

No dia 19 de agosto saímos bem cedo de Milos, pegamos o ferry boat por voltas das 10h do porto de Adamas e embarcamos rumo à ilha. Estávamos empolgados, assim, que como não teríamos tanto tempo lá, resolvemos alugar um carro para podermos nos movimentar e ficarmos livre para circular. Bom, para começar, fomos em altíssima temporada, sabíamos que os preços seriam salgados.

Alugamos um carro pequeno para 3 pessoas e a diária custava 70 euros fora os impostos. Conseguimos um hotel bom comparado com a alta temporada que fomos, e ficamos hospedados na praia de Kamari, um lugar tranquilo, que foge do burburinho de Oia, e por isso foi uma ótima escolha.

A praia de Kamari estava localizada há 5 minutos do nosso hotel Adonis. De areia preta e pedras, a praia tem um visual bonito. Um recomendação é comprar sapatos especiais para nadar e caminhar, custa cerca de 7 euros, e é um bom investimento para não machucar o pé e ficar.

11349062_10153007560562026_702080730_n

11930675_10153007578742026_855944391_n

11930675_10153007578747026_1078976130_n

Santorini tem um visual charmoso como qualquer ilha da Grécia, mas já tem cara de cidade, e em alta temporada tudo fica cheio e caro. Estando lá, a primeira coisa que fizemos foi nos locomover até Oia, leia-se Ia, queríamos conferir o “sunset” mais famoso do mundo, e já nos preparamos para enfrentar trânsito, disputas pelos melhores lugares e turistas do mundo todo.

Chegamos por volta das 18h da tarde para procurar um bom lugar, resolvemos sentar e esperar, até porque se não fizéssemos isso, perderíamos a nossa super visão. Máquinas à postos e começa o por do sol, que sim é lindo, termina no mar, tem todo o visual da Caldeira, da igreja de domo com o teto azul, tem sua beleza e é um ótimo lugar para meditar e agradecer.

O entardecer pra mim de qualquer lugar é a melhor oportunidade para agradecer por todos os momentos mágicos, pela oportunidade de morar em um lugar lindo e poder curtir momentos tão especiais com as pessoas que tanto amo.

11938155_10153007560592026_1042690022_n

11938709_10153007578702026_1705766652_n

11992120_10153007578762026_397079533_n

11992425_10153007578797026_762444240_n

11992631_10153007578727026_1771152612_n

A única coisa que não gostei de Santorini foram os preços. Tudo é muito muito caro. Quatro vezes mais que Milos para comer, e para você ter uma ideia a mesma cerveja que aqui você compra por 3.50, lá custa 7. Santorini é super turística e não recomendo ir em alta temporada. Viaje em baixa temporada para lá, entre os meses de maio e junho ou final de setembro, porque além de você conseguir preços mais honestos, vai poder curtir muito mais sem muita gente, sem caos, afinal você está em uma ilha e quer relaxar, não é mesmo?

No dia seguinte, depois de tomar o café da manhã, fomos passear e visitar mais lugares. Paramos para ver a caldeira vulcânica, que depois de uma gigantesca erupção destruiu os primeiros assentamentos humanos que existiam na antiga ilha, criando assim, a caldeira geológica atual.

Essa enorme lagoa central mede cerca de 12 por 7 km, é cercada por 300 metros de altura de íngremes penhascos, em três dos seus lados. É possível caminhar pela caldeira e sentir como é estar dentro de um vulcão e seus destroços. Hoje em dia, o que permanece ativo é um caldeira cheia de água, mas vale lembrar que Santorini é o centro vulcânico mais ativo do sul do mar Egeu. A região registrou sua primeira atividade vulcânica cerca de 3-4 milhões de anos atrás, apesar de vulcanismo em Tera ter começado cerca de 2 milhões de anos atrás.

Depois de visitar a caldeira, fomos conhecer a “Red Beach”, que tem esse nome por possuir rochas avermelhadas. Essa praia é uma das mais famosas da ilha e impressiona pelas rochas vulcânicas e pela cor, que em constraste com o mar forma um visual bem bonito. De areia grossa, pedras de cor preta, e visual exótico em constraste com o mar azul, faz dessa praia uma das mais procuradas. Para se chegar nela, é necessário estacionar o veículo no estacionamento e caminhar. Depois, você vai avistar a praia de cima e vai descendo por uma trilha até chegar na areia. Se decidir passar um tempinho por lá, leve lanchinhos, água e tudo o que precisa. A Read Beach não é uma praia que tem estruturas de bares.

11994275_10153007560532026_80903333_n

11994418_10153007578732026_686998191_n

11994418_10153007578767026_1763252888_n

11996971_10153007578782026_480587104_n

11997315_10153007560567026_801175288_n

11997492_10153007578722026_1791516614_n

11998008_10153007560542026_1530540685_n

11998434_10153007560572026_579082969_n

11998576_10153007578792026_11937196_n

11998725_10153007560597026_1451644470_n

Bom, meu tempo em Santorini foi curto, mas conseguimos rodar pelos locais mais importantes, ir em alguns não turísticos e até aqueles intransitáveis como o centro de Fira, local cheio de ruas estreitas, lojinhas, restaurantes e muitas muitas pessoas.

Fique ligado no blog porque tem muitos posts novos chegando. Fiquei um tempo off, mas foi por um motivo, visitando novos lugares e preparando novos conteúdos cheios de lugares mágicos para você se animar ainda mais, arrumar as malas e sair para explorar locais lindos nesse mundão.

Crise na Grécia e como isso afeta os turistas ou não!!!!

Aqui na Grécia o clima não é dos mais amenos, mas também não estamos à beira de um colapso.. quer dizer.. essa indefinição mexe com todos os gregos, com as pessoas que escolheram viver aqui, e nessa eu me incluo. Tenho uma família grega que trabalha com o turismo. A Grécia vive de turismo, está com um débito gigantesco e pode ou não dar o calote no FMI, pode ou não sair da zona do euro e voltar aos dracmas, a antiga moeda que segundo a mitologia grega era um meio de oferenda à Íris, a deusa do arco-íris que proporcionava depois da oferenda, a mensagem através da névoa.

Depois que houve a mudança pro euro em 2002, a Grécia se viu ano a ano em uma sucessão de contas não pagas, diminuição do salário e dos benefícios, muita corrupção e uma dívida de 271 bilhões. Domingo é o dia que o povo vai às urnas para votar se querem continuar na zona do euro ou sair. Tem muita gente achando que é melhor continuar como está e ver o que acontece, enquanto muitos querem sim um novo recomeço. Cada hora se fala uma coisa, e a verdade é que só dentro de alguns dias é que saberemos o que vai acontecer de verdade.

Mas hoje o post é dedicado aos turistas que estão vindo pra cá, os que já estão e como isso afeta ou não a sua viagem. O bancos gregos delimitaram o saque de 60 euros ao dia para os gregos, mas não para os turistas. Quem tem conta em bancos internacionais, cartões de débito para saque e cartão de crédito não enfrentam maiores problemas. O que as pessoas estão assustadas é de estarem em meios as férias, em um dos destinos mais procurados e visitados do mundo, e depois ficarem sem dinheiro para continuarem a trip.

Podem ficar tranquilos, quem já comprou a passagem, reservou hotel, hostel, passeios de barco não precisa cancelar nada.

Mas, vale algumas dicas: leve dinheiro em euro, e principalmente trocado, não notas muito grandes, o ideal são as notas de 10, 20 e 50 euros, além disso os cartões de créditos estão sendo aceitos em todos os lugares sem problemas.

Manifestações acontecem em Atenas, mas as ilhas estão fervendo, o verão está pulsando e sim, a Grécia vai sobreviver e vai fazer história como sempre foi, desde os tempos da antiguidade. Eu moro aqui, sou feliz aqui, e com crise, sem crise, mudança de moeda ou não, vamos lutar e continuar vivendo nesse paraíso abençoado por tantos deuses.